Seu Dinheiro (Parte 2)

agosto 16, 2011

Na parte 1, dei dicas para as pessoas resolverem seus problemas financeiros.

Nesta segunda parte, para você que não sofre desse problema ou que já conseguiu se livrar de todas elas, seguem alguns conselhos para que continue dormindo tranquilo ou melhore ainda mais de vida.

PARA EVITAR

  • Seus gastos devem ser menores que quanto você ganha. Não é o seu salário que deve ser adequado com o que você gasta, mas o contrário. Pois seu salário não pode ser aumentado infinitamente.
  • Saiba quanto você ganha. Cuidado! Salários sofrem descontos. Se você tem um salário de R$ 1.000,00 não adianta querer gastar tudo isso, pois o líquido, que você irá receber, será menor.
  • Se você recebe horas extras, comissões, produtividade, etc, não conte com isso para o seu orçamento. São sazonais e você terá que arcar com a diferença quando não receber o esperado. Profissionais liberais, devem ter mais cuidado ainda.
  • Planeje. Faça os cálculos. Coloque na ponta do lápis todas as contas fixas (aluguéis, prestações, etc) e faça uma estimativa baseado no custo médio das outras (água, luz, telefone). Lembre de colocar todas as contas essenciais na lista. Ordene as contas por ordem de prioridade.
  • Se não souber como fazer, peça ajuda a alguém. É melhor pedir ajuda na matemática do que pedir dinheiro emprestado depois.
  • Controle. Evite gastar além do planejado. Tente anotar tudo que gastar. Aquele um real que se gasta todo dia para o pão, por exemplo, por mais desprezível que seja no momento, representa R$ 30,00 todo mês. E R$ 30,00 representa 5% dos ganhos de uma pessoa que recebe salário mínimo.
  • Pensa em reformar a casa? Muita atenção com os custos. Várias das dívidas começam com investimentos mal planejados.
  • Tenha cuidado ao fazer financiamentos e compras parceladas. Por mais que a parcela pareça pequena, terá que se encaixar nos outros gastos mensais e pode parecer que nunca irá acabar. Por mais que aquela TV tenha parcelas baratas, o custo final dela será o mesmo (lembra do um real do pãozinho?)
  • Pagar juros é dar dinheiro para o banco.
  • Prefira sempre pagamentos à vista. Além de não se comprometer no futuro, é sempre possível conseguir um bom desconto.
  • Automóvel não é investimento. É custo. E dos mais altos e mensais. Esteja preparado para comprar um, pois não basta apenas pagar a prestação: tem combustível, manutenção, acidentes…
  • Crédito é crédito, não é dinheiro. Tenha cuidado. Muita gente confunde a oferta de crédito fácil com dinheiro na mão. É aí que mora o perigo. Lembre-se: dinheiro é somente aquilo que você tem, o resto é dívida.
  • Poupe. Faça o máximo de esforço para economizar o máximo que puder todos os meses. Alguns especialistas recomendam economizar pelo menos 15% do que você ganha. 15% de alguém que recebe R$ 600,00 representam R$ 90,00.
  • Não basta apenas fechar o mês fora do vermelho. Você deve ter uma reserva de emergência. É como prever o futuro. Imprevistos acontecem (doenças, demissões, acidentes…) e nunca se sabe quando irão acontecer. Por isso, economize e guarde.
  • Segundo especialistas, a reserva de emergência recomendada é aquela em que você consegue viver (sem luxos) por três meses.
  • E, mais importante, sempre evitar agir por impulso e ponderar antes de um gasto.
 
Aviso: este post poderá sofrer alterações sempre que necessário.
Fontes diversas e experiências próprias.

Seu dinheiro (parte 1)

agosto 9, 2011

Episódio bastante comum para gente que, assim como eu, trabalha na gestão de pessoas são funcionários reclamando de problemas financeiros, pedindo empréstimos ou, até mesmo, querendo ser demitido para pagar contas em atraso. É uma situação ruim para ambos os lados. O funcionário trabalha mal por pensar nos problemas que tem em casa e a empresa, sem contar com a total produtividade dele, corre risco de perder um ótimo funcionário.

O que pude constatar é que, na maioria dos casos, o caos financeiro é causado por despreparo, descontrole e falta de conhecimento da pessoa sobre o uso consciente do dinheiro e do crédito. Assim, resolvi fazer esse pequeno manual de dicas, que compartilho aqui, para que todos possam ter uma vida financeira mais tranqüila.

Se o seu caso é quase um caso perdido, siga as dicas abaixo. Na parte 2, falarei sobre como evitar essas dores de cabeça.

PARA CONSERTAR

  • Não faça mais dívidas! Só aumenta o bolo de neve. Nesse caso, não basta evitar, é NÃO mesmo!
  • Para sair de uma dívida, só tem um jeito: quitá-las. Esqueça essas pessoas que prometem limpar nomes. É golpe!
  • Coloque suas contas no papel. Muita gente se surpreende com o tanto que gasta.
  • Controle-se. As dívidas começam com consumo compulsivo. É como pessoas que não conseguem parar de comer doces. Enquanto não parar, não vai melhorar.
  • Separe as contas essenciais como aluguel e não deixe de pagá-las. Se estiverem atrasadas, negocie também. Ser despejado só irá piorar sua situação.
  • Negocie. Muitos bancos preferem receber um valor menor que o devido do que não receber. Ofereça pagamentos à vista, peça descontos na dívida, diga quanto pode pagar. Enfim, barganhe, pois é o suor do seu trabalho que está em jogo.
  • Se não conseguir chegar ao valor que queria, analise se vale à pena pagar os juros que estão pedindo. Se tiver coragem, deixe seu nome ficar sujo por um tempo e volte a negociar depois.
  • Apague o fogo! Tente obter empréstimos a juros menores para quitar outras dívidas mais caras como cartão de crédito, cheque especial, etc. Tenha cuidado para dimensionar a prestação do empréstimo, você terá que pagá-las!
  • Quebre e jogue fora TODOS os cartões de crédito! Até que você tenha condições de usá-los novamente, pague tudo à vista.
  • Entre em contato com o banco e peça para cancelar seu cheque especial, limites de crédito em conta e outros serviços do tipo.
  • Cancele também seu talão de cheques. Cheques são difíceis de controlar e controle é o que você não pode perder nessa situação.
  • Evite andar com dinheiro vivo. Fica muito mais difícil controlar os gastos. É o velho ditado: dinheiro na mão é vendaval.
  • Faça sacrifícios. Não dá pra continuar vivendo uma vida de rei se não puder mante-la. Corte gastos supérfluos, abra mão do churrasquinho no final de semana e da cerveja com os amigos. Controle a conta do supermercado evitando comprar besteiras. Evite sair de carro. Cancele a TV a cabo, a internet, celular e outros serviços desnecessários.
  • Reduza os gastos em contas de consumo. Tente economizar nas contas de água, luz e gás.
  • Se possível, pense em vender o automóvel. Verifique o custo de utilizar transporte público e use o dinheiro do carro para quitar dívidas. É mais um sacrifício que será retribuído.
  • Analise a possibilidade de mudar para outro imóvel de aluguel menor. Não dá pra continuar vivendo num castelo também.
  • Deixe seus filhos a par da situação. Será bom para a educação deles e mais fácil quando todo mundo tenta economizar junto. Fingir que nada está acontecendo, só torna as coisas mais difíceis.
  • Tenha os pés no chão. Faça muito sacrifício e volte a ter uma vida tranquila. As coisas que terá que “abrir mão” serão recompensadas quando puder deitar a cabeça tranquila em um travesseiro. Não dá pra gastar R$ 1000,00 se você ganha R$ 800,00. A conta não bate.
  • Após arrumar a casa, tome cuidado e siga as dicas da próxima parte para evitar se endividar de novo.
Aviso: este post poderá sofrer alterações sempre que necessário.
Fontes diversas e experiências próprias.

%d blogueiros gostam disto: